Lulu Santos | Como É Grande o Meu Amor por Você

lulu-santos-como-e-grande-300-2

Entre Ellen Olérias e alguns números musicais no Vem Aí da Rede Globo, o melhor fruto do programa The Voice Brasil (a propósito, esse Brasil não deveria estar escrito com a letra Z?) talvez seja essa versão de Lulu Santos para “Como É Grande o Meu Amor por Você”. Claro, a interpretação de Lulu não tem ligação direta com o programa, mas a espécie de repaginada pela qual o cantor passou desde o início do estridente show de calouros da Globo talvez tenha lhe aberto os olhos para o mal que o exagero pode fazer.

Parte do projeto de cantar as já canonizadas canções de Erasmo e Roberto Carlos, Lulu pode parecer mais um bobo entre tantos ao tentar mais uma versão para “Como é grande o meu amor por você”. Mas Lulu Santos não é bobo e, por ser quem é, não tem medo do pop. Reconhecendo os riscos da empreitada como, talvez, poucos, Lulu opta por uma abordagem mais singela e simples de uma das canções mais maximalistas que Roberto e Erasmo já comporam, vide o título grande nas palavras e no tamanho.

Com um arranjo e uma produção que lembram o fofopop™ tão em voga nos nossos dias e a sofisticação pop tentada por Tulipa em “Tudo Tanto” (do qual Lulu é participante ativo), a “Como é grande o meu amor por você” de Lulu Santos é uma canção desprovida daquela falsa densidade tantas vezes derramada em cima da canção. É revigorante ouvir Lulu cantando, quase um standard norte-americano, uma canção de versos tão intensos com a integridade que o verdadeiro amor reclama.

Ainda que a canção se mostre maior, mais grande do que preciso, e isso leve Lulu a arriscar alguns floreios vocais que beiram o dispensável, mesmo aí Lulu Santos se equilibra bem e se mantém na corda bamba em que ousou caminhar. Na verdade, nos seus melhores momentos, é a voz de Lulu o grande trunfo da faixa. Talvez seja desnecessário falar, mas Jeneci e os demais discípulos do fofopop deveriam se inspirar não somente no Lulu-Santos-Rei-do-Pop-dos-Anos-90, mas também nesse renovado cantor, que, a despeito do péssimo figurino, canta com sua melhor roupagem em muitos anos.