Marina Wisnik | Na Rua Agora

Marina Wisnik

Na Rua Agora

[Independente; 2012]

5.0

ENCONTRE: Musicoteca

por Yuri de Castro; 21/08/2012

Em sua estreia como cantora, Mariana Wisnik padece em um disco sem personalidade pop. O verbo pode parecer pesado, mas soar como uma Tiê genérica não é um bom sinal caso o objetivo seja fazer algo contundente. Nos braços de Marcelo Jeneci e Yuri Kalil (Cidadão Instigado), “Na Rua Agora” é um pastiche da inocência (lúdica apenas por artifício) que permeia parte de alguns trabalhos semelhantes e contemporâneos.

Se não lhe agrada a comparação com José Miguel Wisnik, Marina erra ao não definir-se de forma ousada em “Na Rua Agora”. A composição como simultâneos canal e meio para uma experiência menos banal e que conserve a inocência da palavra e da sonoridade já foi largamente (e vem sendo) usada por artistas de diferentes nichos na música popular brasileira. De Calcanhotto (principalmente após “Programa” e, mais recentemente, em seus partimpins) a Arnaldo Antunes, de Ortinho a Marcelo Jeneci.

Se é um disco aberto a experiências uma vez que chega à rua cru e aberto, “Na Rua Agora” fracassa. E acontece o mesmo caso seu intuito seja ir catalisando as novidades que se aproximam nesse novo rumo de Mariana Wisnik. A ressalva única se faz caso a experiência aqui seja ir pra rua ressoando o que se ouviu dentro de casa. Não creio ser este o (principal) objetivo desta estreia. “Jardim de Inverno” consegue, por exemplo, ser apenas uma sofisticação pop-reggae de canções de bandas teens já vendidas no mainstream como a carioca Scracho ou a gaúcha Chimarruts.

“Na Rua Agora”, no máximo, é o mínimo. Ou seja: se não chega a ser rasteiro, talvez agregue pequenas boas ideias espalhadas genericamente por todo o álbum. No fim, a parceria com seu pai — e como ainda se irrita com a comparação? — “Miragem” é a faixa menos óbvia de um disco que aponta o que já inclusive fora aceito nas rádios brasileiras. Que Jeneci tenha se visto no álbum e veja logo o que seu segundo álbum não pode ter caso a MPB light e pop continue permeando sua obra. “Na Rua Agora” é um debulhar, um exercício pouco complexo de Wisnik. Atriz, que ela consiga reinterpretar-se de forma mais original em seus próximos trabalhos.